Sem estados na Previdência, senadores articulam PEC paralela

diante da resistência de deputados avalizarem a reinclusão de estados e municípios na reforma da Previdência no plenário da Câmara, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e lideranças da Casa começaram a articular um acordo para que o endurecimento nas regras de aposentadoria e pensão de servidores municipais e estaduais seja feita por meio de uma proposta paralela.

Se for levada adiante, a reforma seria fatiada pelos senadores. Eles ratificariam as novas regras da aposentadoria dos empregados da iniciativa privada e de servidores públicos da União votadas pela Câmara. Mas votariam em outra Proposta de Emenda à Constituição (PEC) a reforma em estados e municípios. Esse texto teria de voltar à análise dos deputados.

A estratégia é pensada porque qualquer alteração feita pelo Senado teria de levar de volta o texto à Câmara. Se ocorrer o fatiamento, as regras que têm comum acordo entre as Casas entrariam em vigor mais cedo.

A sugestão ganhou maior amplitude nessa quarta-feira (10/07/2019) dentro do Congresso após o partido Novo retirar do plenário da Câmara a emenda que tentava reincluir estados e municípios, justamente pela perspectiva de um acordo na Casa vizinha.

O senador tucano Tasso Jereissati (CE), cotado para ser relator da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, disse nessa quarta-feira que, a princípio, a PEC paralela seria uma saída, diante do apoio de senadores à reinclusão de estados e municípios em uma reforma da Previdência. Segundo ele, Alcolumbre está de acordo com a ideia. “A grande maioria dos senadores que tenho ouvido são favoráveis à inclusão dos Estados e municípios”, afirmou.

A sugestão vem sendo encarada positivamente entre senadores da ala mais experiente do Senado, assim como dentro do partido do presidente, o PSL. Líder da sigla no Senado e favorável à reinclusão de estados e municípios, Major Olímpio disse na quarta que a PEC paralela é um “caminho”, e que as lideranças estão debatendo a possibilidade com as bancadas.

O líder do PP no Senado, Esperidão Amin, citou que a ideia “é muito simples”. “O que é de concordância das duas Casas, aprovamos aqui e promulgamos, o que acrescentamos ou não concordamos, a Câmara estará debatendo”, afirmou. De acordo com Amin, dentro dessa alternativa, há duas opções na mesa: a inclusão dos estados e municípios impositivamente ou possibilidade de governadores e prefeitos aderirem a reforma por lei complementar. Essa segunda opção poderia ter mais receptividade na Câmara, diz a presidente da CCJ no Senado, Simone Tebet.

Sobre a resistência na Câmara, Tasso considerou que, quando PEC paralela fosse enviada, os deputados já estarão sob “outro clima”, o que facilitaria uma aderência à proposta.

metropoles

Arquivado em : Politica
Veja Também
Politica

Eduardo nos EUA: “Se tem crítica, é a pessoa indicada”, diz Bolsonaro

presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou, nesta segunda-feira (15/07/2019), a repercussão sobre a possível indicação do seu filho e deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), à embaixada brasileira dos Estados Unidos. Na avaliação presidencial, uma das principais métricas para avaliar se a indicação é correta, e suposta prova da sua competência, é o volume de críticas que o assunto […]

Politica

Michelle pressiona por autismo no censo, mas Bolsonaro sinaliza veto

movimentos sociais que pedem a inclusão do autismo no censo demográfico elaborado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) buscaram, no Palácio do Planalto, a chancela do projeto de lei sobre o tema, aprovado no Senado no início do mês. Enquanto um grupo se reunia com representantes na Secretaria de Governo, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, direcionou-se […]

Politica

Morando no Peru, filho de Bia Kicis assume tesouraria do PSL-DF

e leita pelo PRP, a deputada federal Bia Kicis filiou-se ao PSL no fim de janeiro. Próxima ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), tão logo entrou na legenda, assumiu a sua presidência no Distrito Federal. No Congresso, conseguiu a vice-presidência de um dos principais colegiados da Câmara, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Dentro do partido, […]

Politica

Bolsonaro quer lei que torne obrigatório o voto impresso no Brasil

o presidente Jair Bolsonaro (PSL) comentou em live no Facebook, nesta sexta-feira (12/07/2019), que pretende apresentar em breve um projeto de lei (PL) tornando obrigatório o voto impresso no Brasil. No ano passado, o presidente apresentou, enquanto deputado, a proposta ao Congresso Nacional, que acabou derrubada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Pela rede social, Bolsonaro contou que, […]